Na semana da mulher, o Portal Itnet homenageia cinco Itabaianenses de poder, que lutam dia a dia pelo seu espaço e brilham no que fazem!

Por Taís Cristina e Genildo Gois

Dizem que na feira de Itabaiana encontramos de tudo. E encontramos mesmo, seja no aspecto de produtos, ou nas histórias e pessoas que conhecemos…

E foi na feira de Itabaiana que buscamos a nossa última homenageada à Semana da Mulher. Nada melhor do que uma feirante, uma mulher que está na luta, dia a dia, em busca do seu sustento e do sustento de sua família. Uma feirante simboliza muito a força da mulher itabaianense.

Dona Maria é um exemplo de ceboleira de fibra! Ela tem 72 anos e há 60 trabalha como feirante.

QUEM É MARIA DO REQUEIJÃO:

Maria carvalho, a Maria do requeijão é esposa, mãe, avó, guerreira, começou a trabalhar na feira vendendo água, verduras, doces… E há um bom tempo ela comercializa requeijão, queijo, castanha, manteiga.

Ela vende dentro do Mercadão de Itabaiana e “geral” já sabe o caminho da sua barraca!

Dizem que o requeijão vendido na barraca de Dona Maria é o melhor da cidade. Ele é trazido diretamente do Sertão, para a feira de Itabaiana… Dona Maria é apaixonada pelo que faz e serviu de exemplo para os filhos, dois também trabalham no mesmo ramo e os seus netos também ajudam na venda.

-Minha vida sempre foi animada na feira, e daqui consegui tudo que tenho e fiz muitas amizades.  Eu vi crianças com seus pais vindo aqui comprar na minha banca e hoje, cresceram e são todos meus clientes.

MULHER DE PODER:

Maria é uma mulher de poder porque ela é o exemplo típico de mulher itabaianense que luta e vai atrás dos seus objetivos. Mesmo com a idade e o desgaste, ela sempre está com um sorriso no rosto e muita simpatia, à espera dos seus clientes.

Quem chega a sua banca não sai de mão vazia. Primeira ela oferece um “pedacinho” do requeijão, do queijo, uma castanha… a pessoa prova, gosta e acaba levando, tanto por ser bom, como também pelo carisma e atendimento nota dez de Maria do Requeijão.

Apesar de tantas dificuldades enfrentadas pelas mulheres em nossa sociedade, Dona Maria nunca deixou que ninguém te rebaixasse e dissesse o que ela tinha que fazer, afinal, ela sempre batalhou e foi uma mulher forte, decidida, em busca de seus ideais.

-Eu não me troco por certos homens, e nunca deixei que me desrespeitassem. Tenho 72 anos e ninguém nunca me desrespeitou”.

MULHERES DE PODER E A PANDEMIA:

Após 10 meses em casa sem ir a feira, por causa da pandemia, Maria retornou recentemente às suas atividades, claro, tomando todos os cuidados e sempre ladeada de algum familiar: o marido, os filhos, ou os netos.

-Foram 10 meses de muita tristeza em casa, eu chorava eu brigava, e então eu voltei! Tenho medo, mas não posso ficar sem minha feira, isolei o meu espaço pra não ter contatos, pois estar aqui me faz mais feliz. É na feira que eu me realizo!

A maioria dos clientes de Dona Maria ao sair dava um abraço nela, mas por conta da pandemia, ela está “dispensando”, literalmente, esse tipo de carinho, afinal, já tem 72 anos e agora os cumprimentos ficam apenas no até logo, tchau, volte sempre!

ORGULHO DE SER MULHER [DE PODER]:

-Sou muito satisfeita com minha vida e me orgulho de tudo que eu já fiz. Ser mulher me faz mais forte e tenho muito orgulho e gratidão!

Maria, assim como Amorosa, Vânia, Cíntia e Jussane, mulheres que contamos a história ao longo da semana é um exemplo! Cada uma com a sua história, o seu talento, mostra a força da mulher, mais de perto, da mulher itabaianense. Cada uma delas nos inspira, de alguma forma, e foi uma honra conhecer e escrever sobre elas.

Parabéns a todas, pela garra, determinação, força, otimismo, e principalmente por ser MULHER, DE PODER, que inspiram tantas outras!